Produtos químicos ou naturais?

Não quero químicos no meu corpo!

Hoje trago-vos um tema que está muito na moda quando as pessoas gostam de debater o alimento ou o suplemento saudável. Esse tema é quimiofobia, que se traduz na expressão “Não quero químicos no meu corpo”!

Para abordar este tema é crucial que toda a gente entenda que existe um princípio básico, que é uma premissa fundamental das ciências naturais: “Tudo é químico”. Não há margem para discussão deste tema… e quem não é da área das ciências pode não conhecer esta verdade, pelo que passo a explicar.

Um químico é alguma coisa composta por átomos e por ligações químicas.

Assim, tudo o que está à nossa volta, e por mais natural que seja, é uma substância química. Daí não fazer sentido nenhum afirmar, o que atualmente está muito em voga, que o natural significa que é bom e o que é químico é sinónimo de mau.

Não nos devemos deixar cair nestas armadilhas que parecem lógicas, mas que podem ser apenas uma mera estratégia de marketing.

Esta quimiofobia é muitas vezes inconsciente. Vou dar-vos um exemplo: se nos disserem que o nosso sumo natural que tomamos de manhã ao pequeno almoço tem E300, provavelmente entramos em pânico (porque os componentes E são muitas vezes rotulados genericamente de cancerígenos). Se, em vez disso, nos disserem que tem ácido ascórbico, pensamos 2 vezes em deitar o sumo fora (porque ácido pode “ser perigoso”, sabe mal e pode ser sinónimo de estragado). Mas, se nos disserem que tem vitamina C, já ficamos felizes da vida e pensamos que o nosso sumo tem um valor nutritivo muito alto, que somos muito saudáveis e que, a começar assim o dia, vai correr bem de certeza! No entanto, E300 é o ácido ascórbico, que é a vitamina C.

É importante desmistificar a ideia de que tudo o que é químico é mau e tudo o que é natural é bom.

De facto, existem substâncias químicas que são prejudiciais, tal como outras que são ótimas e substâncias naturais perigosas para a nossa saúde e outras que contribuem para um estilo de vida saudável. Mas preferir algo natural ao invés de químico apenas pela construção que fazemos à volta da palavra, não tem lógica nem fundamento.

Esta explicação também é válida para os cremes?

No início, todos os cremes e medicamentos, todos os fármacos, eram elaborados a partir de plantas ou animais – aprendi isto em Farmacognosia…mas houve aperfeiçoamento destes produtos com o conhecimento químico das substâncias ativas presentes nesses produtos. Continua a haver muita investigação e produção científica na área da cosmética partindo de princípios ativos naturais.

Deve ser por isso que muitas pessoas acreditam que os produtos naturais e orgânicos são melhores para a pele, mas a verdade é que esta crença não tem uma base factual nem legitimidade a nível científico.

Na realidade existem muitos ingredientes orgânicos naturais que fazem mal à pele!

Por outro lado, um produto que contenha ingredientes sintéticos, não o torna imediatamente um problema para a pele.

Ao dizer isto, não vos quero passar a ideia de que não existem ingredientes naturais que são excecionais para a pele, porque já se comprovou inúmeros benefícios de ingredientes naturais para a pele. Contudo, apesar de existir uma vasta lista de ingredientes naturais benéficos para os cuidados da pele, existem outra lista de ingredientes, também naturais, que se revelam prejudiciais e até problemáticos quando usados para tratar a pele.  

Por isso, gosto de usar produtos de cosmética que tenham sido comprovados com testes válidos, de laboratórios de referência; só esses eu recomendo, sejam de origem natural ou sintética.

Os produtos do nosso site são todos dermatologicamente testados, vão lá espreitar!

Deixe um comentário

Tenha em atenção que os comentários precisam de ser aprovados antes de serem exibidos